quinta-feira, 28 de abril de 2011

Ziguezague

Onde está o erro, Deus?
Eu posso ver que há
Pensar no perfeito e entendê-Lo
É mais do que eu posso esperar

Mas se entender não é bem o ponto
E ao mesmo tempo um caminho é
Como saber se estou delirando
Ou se o que vejo é por meio da fé?

Como é que se explica a certeza
Daquilo que o olho não viu
E ao que se compara a grandeza
Do que se não pode medir?

Eu tenho os meus pensamentos
Mas não me fio só na razão
Em partes conheço o percurso
Em outras vou o coração

2 comentários:

  1. Essa sua habilidade de se equilibrar sobre a corda que separa(?) dois mundos é admirável. A impressão que tenho é a de que não há dissociação entre sua fé e sua consciência. Nem cega nem empirista. E é muito bonito ver como isso se reflete na estrutura do texto, erigindo-o solidíssimo; fortemente harmônico. É empolgante ver o trabalho da mão por trás do poema, escolhendo as palavras certas e encaixando-as nos lugares exatos, como se montasse um mosaico, enquanto a corda vai ziguezagueando, alternando-se entre lados opostos que não se anulam: para lá, para cá, para lá, para cá, para lá...

    Beijos, Maíra. Parabéns por mais esse feito.

    ResponderExcluir
  2. Brigada, Vinny. Seu comentário foi mais legal que minha poesia. Bjos.

    ResponderExcluir